HOMENAGEM A MAURICIO DE SOUSA

Ele é uma unanimidade no mercado de quadrinhos brasileiros; uma figura mitológica do cartunismo nacional; uma referência internacional e grande fonte de inspiração para muitos artistas da nossa época (nem preciso ressalvar – embora o esteja fazendo – que Mauricio de Sousa é minha maior fonte de inspiração, né?).

Falar dele e de sua prole de incontáveis personagens é até clichê em um site que, direta ou indiretamente, trate de quadrinhos e cartuns. Além disso, como fã de carteirinha deste grande expoente da cultura nacional, escrever sobre ele e seu trabalho se revela uma atividade bastante atraente. E é exatamente sobre este assunto que tratarei neste espaço.



UMA RÁPIDA BIOGRAFIA

Mauricio de Sousa nasceu em Santa Isabel, uma cidadezinha de interior, e foi criado em Mogi das Cruzes, outra cidade do interior paulista. Como de cada 10 desenhistas, 9,99 começam a carreira rabiscando cadernos e folhas de papel desde moleque, em especial na escola, Mauricio também cabulava aulas para desenhar. E foi nessa época que ele criou seu primeiro personagem: o Capitão Picolé (do qual imagino que o leitor não conheça, a menos que tenha lidoLOSTINHO: Perdidinhos nos Quadrinhos” - recomendadíssimo, aliás!).

Já crescido e à procura de emprego, Mauricio muda-se para a grande São Paulo tentando a vida como desenhista. Mas, com essa desvalorização toda que recai sobre os artistas, Mauricio demorou um pouco pra deslanchar. Deram-no apenas um serviço de repórter policial no jornal Folha da Tarde... e que se desse por feliz! Ele topou. Mas jamais desistiu do sonho de ser desenhista profissional. Ao invés de sair procurando notícias, ficava escondido desenhando e indo atrás de pessoas que quisessem publicar suas artes.

Acabou conseguindo um espacinho na própria Folha da Tarde, que passou a divulgar suas tirinhas no finalzinho da década de 50. E não deviam pagar mal, pois o jovem Mauricio largou o emprego de repórter policial pra ser só ilustrador. Em 1970, lançou sua primeira revistinha com a personagem Mônica e, bem... a partir daí, o leitor deve imaginar o resto da história: sucesso nacional e internacional, contratos e royalties, desenhos animados nos cinemas etc. Vale dizer que Mauricio de Sousa tem um faro pra negócios impressionante; um empreendedor de mão cheia.

Atualmente, fora as historinhas do dinossauro Horário, Mauricio pouco desenha. Suas atividades são essencialmente administrativas e de negócios, assinando os desenhos de sua equipe e mantendo um grande estúdio de produções artísticas. Tudo o mais é gerenciado por seus filhos, em especial, a própria Mônica.



A FAMOSA TURMINHA

O universo de personagens de Mauricio de Sousa é vasto. Dá pra dividir este tema em vários grupos de turmas:

- Turma da Mônica: é aquela galerinha que sempre encantou gerações de leitores e que, certamente, você já conhece: Mônica, a garota mais forte do mundo e a líder não apenas da turma que leva seu nome, mas de todo o Bairro do Limoeiro; Cebolinha, o grande pestinha da turma, famoso por trocar os "r" pelos "l" e pela mente adubada de planos infalíveis; Magali, a garota mais comilona do mundo; e Cascão, o cara que nunca tomou banho na vida (pelo menos, durante a "infância"). E ainda tem aquela penca de personagens secundários: Franjinha (o inventor), Titi (o metido a galã), Aninha (a namoradinha do mesmo metido à galã), Dudu (o segundo maior pestinha da turma), Louco (o louquinho de pedra), Xaveco, Xabeu, Bloguinho, Jeremias, Manezinho etc.

- Turma do Bidu: um cachorro azul, que fala com as pedras, as árvores, os palitos de sorvete e, muitas vezes, até com os próprios desenhistas da história. É uma turma de poucos personagens fixos, mas alguns aparecem com uma certa frequência: Manfredo, Duque, Bugu, Zé Esquecido e Dona Pedra, por exemplo.

- Turma do Chico Bento: são crianças que vivem numa roça paradisíaca, onde não há preocupações, violência, correria... tudo numa santa paz de dar inveja. A única coisa que preocupa o Chico Bento são as aulas da professora Marocas (que, aliás, é a única professora da roça). Temos, ainda, a Rosinha (namoradinha do Chico), o Hiro, o Zé Lelé, o Zé da Roça, o Nhô Lau, o Padre Lino, a Vó Dita e outros que aparecem vez ou outra.

- Turma do Horácio: composta de personagens dinossauros, sendo o próprio Horácio um tiranossauro vegetariano (tudo é possível nos quadrinhos), pensador, com historinhas curtas cheias de lições de vida. Apesar de quase sempre aparecer sozinho, Horário tem uma namoradinha (a Lucinda) e um amigo fiel: Tecodonte.

- Turma do Piteco: é um personagem pré-histórico, convivendo com dinossauros, caçando e se metendo em confusões com a própria caça, na pacata aldeia de Lém. Além do Piteco, temos a Thuga (que sonha em se casar com ele), o Bolota e os bandidões Zum e Bum (que não costumam aparecer junto com o Piteco, mas em historinhas próprias).

- Turma da Tina: são adolescentes baladeiros, namoradeiros e de bem com a vida (a maioria sustentada pelos seus respectivos pais), cujas histórias retratam mais a vida dos jovens conforme a época. Tina e Rolo, por exemplo, já foram hippies nos anos 70. Além desses, temos o Zecão, a Pipa e os namorados da Tina (que, em cada história, aparece um).

- Turma do Penadinho: historinhas do além-vida, com personagens monstros e fantasmas. Até o Capiroto, em pessoa, aparece de vez em quando pra bater um papinho com a turma. Penadinho é uma alma penada que vive num cemitério, em eterno purgatório, junto com seus amigos: Zé Vampir, Lobisomem, Cranícola, Frank, Muminho, Alminha e a própria Dona Morte.

- Turma da Mata: é uma turminha literalmente animal, vivendo num matagal governado por um leão de nome Rei Leonino. Não tem, exatamente, um personagem principal, mas o Jotalhão (um elefante verde), o Coelho Caolho, a Rita Najura e o Raposão aparecem quase sempre.

- Astronauta: é um viajante do espaço sideral, embaixador da Terra, sempre se metendo em encrencas com os alienígenas. Vive histórias cheias de aventuras legais, mas costuma se afundar em lamentos pela perda da namorada Ritinha.

- Turma do Papa-Capim: é uma turminha de índios, vivendo suas aventuras com a tribo em plena floresta amazônica. Além do próprio Papa-Capim, temos o Cafuné, o Pajé, a Jurema e alguns personagens não fixos.

- Turma da Mônica JOVEM: a produção mais bem sucedida da Mauricio de Sousa Produções, no momento. Trata-se da própria Turma da Mônica, só que com os personagens principais crescidos, adolescentes, vivendo conflitos e situações típicas dessa fase da vida. É um contexto totalmente diferente do universo Turma da Mônica original. Aqui, o Cascão toma banho, o Cebolinha supera a dislalia (aquele probleminha de trocar os 'r' pelos 'l'), a Magali come com moderação e a Mônica está altinha, magrinha e mais contida. E ainda rola o maior romance entre o ex-pestinha Cebolinha (que, agora, chama-se só Cebola) e a ex-baixinha-gorducha Mônica. As histórias são, normalmente, produzidas em série e o estilo de traços é o
mangá. Apesar dos sustos que a novidade trouxe aos leitores clássicos no início, as revistas têm vendido muito bem. E nem poderia ser diferente!

- Personagens que não emplacaram: Mauricio de Sousa também não é infalível. Alguns de seus personagens não chegaram a alçar voos muito altos, tais como: Garotão, papagaio Palestrino, Boa-Bola, Mingão, Leonardo, Zé Palito e outros. Muitos deles apareceram, também, na edição especial
LOSTINHO: Perdidinhos nos Quadrinhos. Mas há uma boa referência nisso tudo: o personagem Nico Demo, um garoto endiabrado, com histórias carregadas de humor negro (bem diferentes dos demais personagens do Mauricio). Não emplacou justamente por que, naquela época, os jornais consideraram suas tirinhas violentas demais (um óbvio exagero! Nos dias atuais, o personagem poderia ser considerado um anjinho).


SITE DA TURMA DA MONICA

Uma excelente referência pra quem quiser conhecer mais dos trabalhos de Mauricio de Sousa é o site: PORTAL DA TURMA DA MÔNICA. Lá, é possível encontrar tirinhas, historinhas completas, informações sobre personagens e muita coisa boa. Altamente recomendado... pelo menos, por mim.